A Divina Sarah (1984)

“Coube a John Murrell perceber a posição única de Sarah Bernhardt na história cultural do século XIX e de registrá-la com todas as suas contradições numa peça inteligente e inspirada”, João Bethencourt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *